O que é Bytecoin?

Os tempos estão mudando rapidamente e a necessidade de privacidade e anonimato on-line está se tornando cada vez mais importante. Com o crescimento dos países governados por governos opressores, a necessidade de privacidade continua sendo crucial.

A Bytecoin, uma criptomoeda descentralizada que se concentra fortemente em privacidade e segurança, pode ser usada para enviar e receber valor monetário enquanto garante que a transação permaneça sem rastreabilidade por terceiros. Ao utilizar um protocolo orientado para a privacidade que é alimentado pelo uso de assinaturas de anel, a Bytecoin provou sua capacidade de enviar valor na forma de transações globalmente.

Para entender melhor o que a Bytecoin faz e como ela funciona em comparação com o Bitcoin, aqui está um gráfico que mostra as semelhanças e diferenças entre a Bytecoin e a Bitcoin.

Claramente, apesar de seus nomes similares, Bitcoin e Bytecoin têm algumas diferenças fundamentais. A Bytecoin é a primeira moeda a implementar o protocolo CryptoNote, que alimenta a infra-estrutura da Bytecoin.

Um erro recorrente que as pessoas cometem é assumir que as transações de Bitcoin, sejam enviadas ou recebidas, são verdadeiramente impossíveis de serem rastreadas. Bitcoin usa a blockchain, um livro público imutável onde todas as transações são visíveis, mostrando saídas e entradas enviadas e recebidas. Isso significa que todas as transações podem ser rastreadas para um remetente ou destinatário específico. Embora isso forneça apenas um endereço público do Bitcoin e pareça não ter muito significado, houve casos em que foi possível revelar quem é o proprietário de um endereço de Bitcoin.

A tecnologia blockchain verifica as transações, colocando-as em um bloco que é anexado a um blockchain imutável, o que significa que não pode ser alterado. Todas as transações e metadados relacionados a uma transação na blockchain do Bitcoin permanecem públicos, desde o primeiro bloco até o mais recente. É aqui que o Bytecoin é muito diferente.

A Bytecoin opera usando o protocolo criptográfico conhecido como CryptoNote, que define a base para a Bytecoin e suas moedas bifurcadas, como o Monero. Essa tecnologia garante que as transações feitas por entidades permaneçam privadas e não rastreáveis, sem o risco de um terceiro realizar uma análise de transação para determinar o remetente e o destinatário.

Embora as transações que ocorrem na rede Bytecoin apareçam em seu blockchain, as transações permanecem completamente anônimas, pois os endereços não podem ser visualizados por nenhuma entidade.

Assinaturas de Anéis não Rastreáveis

A Bytecoin, através do uso de seu protocolo, carrega propriedades não rastreáveis ​​que permitem que as transações da Bytecoin ocorram com segurança na rede. Isso é fornecido pelo uso de assinaturas de anel.

As assinaturas de anel permitem que as transações sejam misturadas e não rastreáveis. O processo de mixagem de transações permite essencialmente que um remetente escolha vários signatários “potenciais” em um pool para estabelecer a integridade da transação e garantir que todos os signatários em potencial tenham um peso igual, significando que uma entidade é incapaz de decifrar de onde os fundos vieram.

Ao utilizar assinaturas de anel, a confidencialidade e integridade da transação são retidas, o que, por sua vez, proporciona privacidade tanto para o remetente quanto para o destinatário. Abaixo, é mostrado um diagrama de como o processo de assinaturas de anel funciona para oferecer uma forte privacidade.

Discrição não vinculáveis

Junto com uma diferença substancial em como o protocolo CryptoNote modifica a forma como a privacidade funciona através de assinaturas de anel, a Bytecoin também incorpora um recurso conhecido como transações não vinculáveis.

Esse recurso é exatamente o que parece: transações que não são vinculáveis ​​por meio do uso de endereços sigilosos e não há capacidade de examinar a blockchain na esperança de revelar as identidades por trás de uma transação. Toda transação de entrada e saída que ocorre na rede Bytecoin permanece mascarada. As verdadeiras identidades do remetente e do destinatário permanecem ocultas, permitindo, em última instância, um alto senso de privacidade para o usuário final.

A blockchain de Bytecoin mostra o hash criptográfico de seu endereço de recebimento. Como cada transação utiliza uma chave pública única, todas as transações produzidas por um indivíduo permanecem desconectadas, tornando extremamente difícil reunir várias transações em um único endereço público. O recurso de transações não vinculáveis ​​entra em jogo por meio do uso de assinaturas de toque único e endereços furtivos que potencializam a privacidade por trás de cada transação, conforme mencionado anteriormente neste artigo.

Prova de Trabalho

Outra grande diferença entre o Bytecoin e o Bitcoin gira em torno dos dois algoritmos de prova de trabalho das criptomoedas. O PoW (proof-of-work) do Bitcoin, que utiliza o algoritmo SHA-256, oferece uma grande vantagem para os mineradores que possuem equipamentos poderosos de mineração ASIC sobre indivíduos com GPUs e CPUs regulares. Isso inerentemente leva a muita centralização, pois o Bitcoin só pode ser extraído por grandes corporações com recursos e energia suficientes para usar essas máquinas ASICs.

Bytecoin, por outro lado, procura eliminar a centralização incorporando um algoritmo PoW modificado, mais conhecido como Prova de Trabalho Igualitária. Este algoritmo de consenso de prova de trabalho modificado adapta uma versão do algoritmo de prova de trabalho que o Bitcoin usa, mas com benefícios adicionais para um esquema de mineração justo e descentralizado.

O algoritmo que o Bytecoin usa não tem um limite em sua memória, o que significa que CPUs e GPUs regulares são capazes de extrair a moeda do BCN a uma taxa efetiva enquanto utilizam hardware barato. As GPUs têm mais núcleos do que CPUs, o que significa que a carga de trabalho (mineração, nesse caso) pode ser concluída com eficiência. Isso torna justo para todos os usuários da rede Bytecoin a mineração da moeda e fazer parte do ecossistema da Bytecoin.

História da Bytecoin

A Bytecoin é a primeira moeda a integrar o protocolo CryptoNote como base para fornecer seus recursos de privacidade aos seus usuários.

Criada em 2012, a Bytecoin inicialmente reuniu uma forte presença na Dark Web, onde era usada para movimentar fundos enquanto os usuários permaneciam completamente anônimos.

O grande fator de divisão da Bytecoin em comparação com outras moedas no mercado de criptos é sua capacidade de anonimato e privacidade proporcionados por meio de assinaturas em anel e endereços sigilosos. O projeto Bytecoin se dividiu quando as equipes divergiram do projeto, dando início a novas criptomoedas.

Um exemplo bem conhecido é o Monero. O Monero é um fork da Bytecoin e baseia seus fundamentos no mesmo protocolo CryptoNote que Bytecoin integrou pela primeira vez.

A equipe da Bytecoin é uma equipe focada em privacidade. Isso pode ser visto na página da comunidade, que mostra apenas rostos e nomes. Alguns dos nomes permanecem sob pseudônimo, sem qualquer ligação a detalhes pessoais do indivíduo.

O roteiro que a Bytecoin definiu inclui as fases de desenvolvimento e marketing para o primeiro e segundo trimestre de 2018. O dia 6 de fevereiro de 2018 marca a primeira fase de desenvolvimento da Bytecoin – a nova versão beta pública da API. Durante esse período, a Bytecoin entrou no mercado asiático enquanto o desenvolvimento continua progredindo.

O roteiro de Bytecoin do primeiro e segundo trimestres pode ser visto abaixo.

 

Conclusão

Desde o início de 2012, a Bytecoin começou como uma cripto com o objetivo de trazer a privacidade de volta para as pessoas e garantir a segurança dos usuários de terceiros maliciosos que procuram bisbilhotar as atividades de transação. Continua sendo um dos mais antigos projetos no espaço, com a intenção de desenvolver uma reserva de valor e poder transacionar anonimamente com outros usuários.

Por ser a primeira criptomoeda a integrar o protocolo CryptoNote, serviu de modelo para outras criptomoedas que se originaram da cadeia original da Bytecoin, usando a mesma tecnologia, mas com diferentes equipes de desenvolvimento. Em um mundo onde a tecnologia continua avançando, as visões do projeto Bytecoin continuam a satisfazer as necessidades de privacidade dos usuários em todo o mundo.



Confira as análises e informações dos principais CriptoAtivos: