O que é ICON?

A ICON (ICX) é uma plataforma massiva que permitirá que várias blockchains interajam entre si através de contratos inteligentes. Segundo seu site, o projeto, a ICON quer “hiperconectar o mundo” ao “construir uma das maiores redes descentralizadas do mundo”.

Para fazer isso, a equipe envolvida está construindo uma plataforma massiva que permitirá que várias blockchains interajam entre si por meio de contratos inteligentes. Existindo dentro do que os desenvolvedores chamam de ICON Republic, as comunidades se conectarão entre si usando a tecnologia loopchain da ICON. O objetivo final dela é fornecer uma plataforma na qual os participantes das indústrias financeira, de segurança, de seguros, de saúde, educacional e de comércio e além possam coexistir e realizar transações em uma única rede.

A ICON está em desenvolvimento há dois anos. Foi fundada pelo Dayli Financial Group, uma empresa de Fintech coreana avaliada em US$ 4 bilhões que também é dona do popular Coinone, da Coréia.

Como Funciona?

Usando sua plataforma loopchain, a ICON conecta um ecossistema de comunidades blockchain através da ICON Republic. Como o nome sugere, a ICON Republic funciona como o chefe governante de uma federação de órgãos blockchain independentes. Portanto, imagine a República da ICON como os Estados Unidos, com cada comunidade ICON representando um estado.

As comunidades estão ligadas à República em geral por meio de representantes da comunidade (C-Reps) que se conectam ao Nexus, a blockchain baseada na loopchain que sustenta a ICON Republic. Os C-Reps agem como portais para as comunidades interagirem com a Nexus e, por extensão, outras comunidades através da República ICON. As blockchains que usam a ICON podem trocar moedas usando a exchange descentralizada da plataforma (DEX).

Comunidades ICON

Simplificando, uma Comunidade ICON é uma blockchain ou protocolo individual com seu próprio sistema de governo, enquanto os Nós da Comunidade (Nodos C) compreendem a infraestrutura de cada comunidade. Os C-Nodes são responsáveis ​​por governar e manter a blockchain de sua respectiva comunidade. Cada comunidade opera de acordo com suas próprias regras e seu próprio algoritmo de consenso, o que significa que a próprio ICON não tem controle sobre como seus membros da comunidade conduzem seus programas fora da ICON Republic.

Os Nós do Cidadão são gateways para o indivíduo médio se conectar à rede da ICON. Os membros da comunidade podem usar esses nós para criar transações e utilizar DAPPs criados na infraestrutura da ICON, mas eles não têm poder governamental na comunidade de blockchain nativa nem na ICON Republic em geral.

Os representantes da comunidade (C-Reps) funcionam como funcionários eleitos para suas respectivas comunidades. Cada comunidade escolhe seu próprio representante, e cada C-Rep é responsável por questões que regem, como verificação de transação e outras, dentro da ICON Republic. Como os delegados em um sistema de DPoS, os C-Reps são compensados ​​por seu trabalho na forma de ICX, a moeda nativa da ICON.

República ICON

Suportada pela loopchain, a ICON Republic é o hub que acomoda as comunidades individuais que coexistem na plataforma ICON. Como dito anteriormente, os C-Reps conectam cada comunidade à república em geral.

Embora comunidades separadas possam seguir seus próprios mecanismos de consenso, a ICON Republic é executada no algoritmo de consenso Loop Fault Tolerance (LFT). A LFT funciona muito parecido com o DPoS, onde os C-Reps atuam como delegados para suas respectivas comunidades no maior governo da ICON. Como representantes, os nós do C-Rep são responsáveis ​​por votar na política de emissão e recompensa monetária da ICON Republic, resolver discrepâncias de transação na DEX da ICON e manter a integridade da rede. Novamente, a ICON Republic funciona apenas como um canal de comunicação para as comunidades ICON, e seu sistema de governo e o congresso dos C-Reps que o compõem não têm controle sobre as comunidades de blockchain individuais.

DEX da ICON

A ICON ostenta sua própria exchange descentralizada. Essa DEX define as reservas de moeda para cada comunidade blockchain para que as comunidades ICON possam trocar valor em tempo real através da ICON Republic. Dessa forma, a DEX complementa os portais do C-Rep ao estabelecer outro gateway para as ICON Communities se conectarem à ICON Republic.

Mas, em vez de o foco ser a governança, como ocorre com os C-Reps, o foco da DEX é o valor e a transferência de moeda. A exchange permite transações e negociações através de blockchain’s conectadas à ICON Republic, e a reserva da DEX define taxas de câmbio para essas transações usando uma inteligência artificial modelo de análise. Além disso, a moeda da ICON, a ICX, será usada como moeda intermediária para a exchange.

Histórico de negociação do ICON

A ICO da ICON terminou em outubro do ano passado e as bolsas começaram a listá-la no final do mesmo mês. Ou seja, ela não tem nem um ano de vida, mas no momento em que escrevo, ele está no 23º lugar no ranking geral da coinmarketcap.

Criando ímpeto em dezembro, decolou após uma listagem na Binance, sua primeira grande bolsa. A notícia jogou a moeda a uma alta de US$ 7,30, mais de 10x o preço da ICO.

Desde essa fase, a ICON resfriou seus jatos e agora está flutuando em torno de uma avaliação de US$ 2,62.

Onde comprar ICON

A Binance domina o mercado de negociação da ICON, contabilizando 30% do seu volume. Boa parte desta negociação é feita em BTC, outra parte menor em ETH. A outra exchange que também negocia ICON é a OKEx, tem seus próprios pares de negociação com ETH e BTC, além de um par USDT com apenas 5% do volume de negociação da moeda.

A equipe da ICON e o que está por vir

A equipe da ICON vem repleta de 39 pessoas de toda a indústria, I.A., engenharia, blockchain e marketing. Seus assessores incluem Don Tapscott, um executivo de negócios canadense que construiu sua carreira no fomento à inovação e adoção tecnológica, e Jason Best, um dos 10 principais organizadores de crowdfunding da Forbes.

No futuro não tão distânte, a equipe quer que a maioria dos principais recursos da ICON sejam executados. Incluindo a expansão das pools de reserva da DEX para as principais criptomoedas e a integração de mais comunidades de blockchain em suas redes. Eles também pretendem lançar o ICON V2, que incluirá uma infra-estrutura imperativa, como canais C-Rep, canais públicos e uma I.A. orientadora.

Pensamentos finais

Se a ICON pode funcionar tão bem no mundo real quanto no papel, essa rede pode muito bem ser a chave de esqueleto que desbloqueia a interoperabilidade da blockchain e conecta esses serviços a indústrias existentes. A whitepaper do projeto mostra como a ICON se encaixaria nos setores estabelecidos, incluindo saúde, educação, negócios, seguros, mercado de capitais e assim por diante. Indivíduos e entidades poderiam não apenas usar o ICON para transferências de dados e transações monetárias, mas também poderiam usar o ID de blockchain na plataforma ICON para verificação de identidades e medidas de segurança aprimoradas.

Além disso, a DEX da ICON forneceria aos usuários uma alternativa potencialmente mais segura e abrangente às exchanges tradicionais. Quando a equipe divulga a carteira principal da ICON, os investidores e entusiastas poderão negociar diretamente de seu software ICON, da Web ou da carteira móvel sem ter que navegar em uma infinidade de exchanges.

Se tudo correr como planejado, a ICON poderia ser essencial para a adoção no mundo real de criptomoedas e integração formal do blockchain em negócios, empresas e mercados tradicionais. Vale a pena manter os olhos nesse projeto e observa até onde poderá chegar.



Confira as análises e informações dos principais CriptoAtivos: