O que é Monero?

Muitas criptomoedas foram lançadas nos últimos anos e muitas pretendiam aumentar a privacidade e o anonimato, embora o seu sucesso variasse. Algumas dessas criptomoedas permitem a visualização pública de todas as transações, enquanto outras tornam a privacidade opcional. E outros ainda mantêm o recurso de privacidade estritamente implícito.

Lançado em 2014, o Monero (XMR) é uma criptomoeda orientada para a privacidade de código aberto que é construída e opera no conceito blockchain. Essas blockchains, que formam a tecnologia por trás das moedas digitais, são registros públicos das atividades dos participantes que mostram todas as transações na rede.

A blockchain do Monero é intencionalmente configurada para ser opaca, ou seja, ela faz detalhes da transação – como a identidade de remetentes e destinatários e o valor de cada transação – invisíveis ou anônimos, disfarçando os endereços usados ​​pelos participantes.

Junto com o anonimato, o processo de mineração para monero é baseado em um conceito igualitário – o princípio de que todas as pessoas são iguais e merecem oportunidades iguais. Ao lançar o monero, seus desenvolvedores não mantiveram nenhuma participação para si mesmos, e apostaram em contribuições e apoio da comunidade para desenvolver ainda mais a moeda virtual.
A cripotmoeda suporta um processo de mineração onde os indivíduos são recompensados ​​por suas atividades, juntando-se a pools de mineração, ou eles podem minerar moneros individualmente. A Monero Mining pode ser executada em um computador padrão e não precisa de nenhum hardware específico, como os circuitos integrados específicos de aplicativos (ASICs).

O programa também roda em todas as principais plataformas de sistema operacional, incluindo Windows, MacOS, Linux, Android e FreeBSD.

Como o Monero melhora a privacidade?

O Monero alivia as preocupações com a privacidade usando os conceitos de assinaturas de anel (ring signatures) e endereços invisíveis.

Assinaturas de anel permitem que um participante de envio esconda sua identidade de outros participantes em um grupo. Elas são assinaturas digitais anônimas de um membro do grupo, mas não revelam qual membro assinou a transação.

Para gerar uma assinatura, a plataforma monero usa uma combinação de chaves de conta de um remetente e as troca com chaves públicas na blockchain, o que a torna exclusiva e também privada. Isso permite ocultar a identidade do remetente, pois é computacionalmente impossível determinar qual das chaves dos membros do grupo foi usada para produzir a assinatura.

Os endereços furtivos adicionam privacidade adicional, pois esses endereços gerados aleatoriamente para uso único são criados para cada transação em nome do destinatário. O uso desses endereços invisíveis permite ocultar o endereço de destino real de uma transação e oculta a identidade do participante receptor.

Além disso, Ring Confidential Transactions, ou RingCT, permite ocultar o valor da transação. Depois de obter sucesso em ocultar as identidades de remetentes e destinatários, a funcionalidade do RingCT foi introduzida em janeiro de 2017 e é obrigatória para todas as transações executadas na rede monero.

Como o Monero é diferente do Bitcoin?

Bitcoin, a criptomoeda mais popular, funciona em um protocolo que tenta proteger a identidade do participante usando endereços de nome falso. Esses pseudonomes são combinações de alfabetos e números gerados aleatoriamente.

No entanto, essa abordagem oferece privacidade limitada, pois os endereços de bitcoin e as transações são registradas na blockchain, abrindo-as ao acesso público. Até mesmo os endereços sob pseudônimo não são totalmente privados. Algumas transações realizadas por um participante ao longo de um período de tempo podem ser vinculadas ao mesmo endereço, permitindo a possibilidade do público, governo, família e amigos tomarem conhecimento das tendências de um proprietário de endereço e, portanto, de sua identidade.

Outra vantagem do monero sobre o bitcoin é a fungibilidade, o que significa que duas unidades de uma moeda podem ser mutuamente substituídas e não há diferença entre as duas. Enquanto duas notas de US$ 1 são iguais em valor, elas não são fungíveis, já que cada uma possui um número de série único. Em contraste, duas peças de 1kg de ouro do mesmo tipo são fungíveis, pois ambos têm o mesmo valor e não possuem características distintivas. Usando essa analogia, um bitcoin é a nota de US$ 1, enquanto um monero é a peça de ouro.

O histórico de transações de cada bitcoin é registrado na blockchain. Ele permite identificar unidades de bitcoin que podem ter sido associadas a determinados eventos, como fraude, jogos de azar ou roubo, o que abre o caminho para bloquear, suspender ou encerrar contas que possuam essas unidades. Imagine receber alguns bitcoins hoje que foram usados ​​anteriormente para jogar, e eles serão banidos no futuro, levando a uma perda.

O Monero, com seu histórico de transações não rastreáveis, oferece aos participantes uma rede muito mais segura onde eles não correm o risco de ter suas unidades retidas recusadas ou colocadas na lista negra por outras pessoas.

Mas embora essas vantagens de privacidade tenham impulsionado a adoção rápida do monero, elas também trouxeram desafios. Os recursos de não rastreabilidade e privacidade do monero permitem que ele seja usado ​​para fins de má reputação e em mercados questionáveis, incluindo aqueles como drogas e jogos de azar. Mercados na darkweb, como AlphaBay e Oasis, viram um aumento no uso da criptomoeda.

Relatórios recentes citam o caso de hackers que criam softwares maliciosos que infectam computadores para minerar o monero e enviá-lo para a Coréia do Norte. Essencialmente, o monero está aberto para ser usado para atividades ilícitas e para evitar a aplicação da lei, uma vez que permanece fora dos controles de capital, sem rastreabilidade.

Uma das criptomoedas mais famosas do mundo

Os atributos ricos em privacidade ajudaram o Monero a se tornar a 12ª maior criptomoeda do mundo com base em sua capitalização de mercado nesse mês de Maio, de acordo com a CoinMarketCap. Pode-se negociar em exchanges líderes como Kraken, Poloniex e Bitfinex. No entanto, seus recursos de privacidade também levaram a dúvidas sobre seu uso em atividades ilegais.

Só nos restar esperar e ver até onde poderá chegar a criptomoeda focada em privacidade. Será que ela conseguirá um dia entrar no top 5 do rank das criptomoedas? Uma coisa é certeza, sem dúvida alguma ela já está entre as mais anônimas do mercado e esse trono, poucas conseguiriam tirar.



Confira as análises e informações dos principais CriptoAtivos: